Se eu fosse Primeiro-Ministro

a opinião tem uma origem

Opiniões de Ministros

Esta página foi criada para que eu possa salientar aqueles que, no meu entender, são, enquanto comentário a um post, uma boa medida, informação ou comentário.

Porque o melhor conselho de ministros é a população. Sobretudo a que se interessa, luta e tenta de alguma forma procurar o melhor através de uma constante luta.

Vitor Oliveira

Anúncios

8 Respostas to “Opiniões de Ministros”

  1. veto11 said

    Sabido Diz:
    Maio 20, 2008 às 11:15 pm e
    Penso que neste momento os combustiveis sao a maior preocupação dos portugueses.
    Sem combustíveis acabou-se a ecónomia de mercado porque simplesmente os produtos não se conseguem deslocar para o mercado…
    Seria estratégico baixar os impostos petrolíferos sobre os combústiveis! Sim, perdiam-se milhões de euros em impostos directos mas quantos milhões é que não seriam ganhos pelo estado a médio prazo com os impostos pagos por empresas novas e em crescendo ano após ano?
    Parece-me no mínimo lógico… já para não dizer sensato da parte do governo.

    “ah… mas o défice…” coisa simples, os milhões que vão perder ao terem baixado 1% ao IVA (medida a meu ver meramente publicitária) teriam sido melhor empregues se tivessem reduzido os impostos sobre os produtos petroliferos.

    mas muito mais há que dizer.

  2. veto11 said

    Nuno Gouveia Diz:
    Maio 20, 2008 às 9:05 pm e
    Deve estar a fazer uma semana que recebi um email do Professor José Carlos Quadrado (Presidente do Conselho Directivo do ISEL) a anunciar a vinda do Sr. Presidente da Republica, e confesso que não li o email na integra, logo ainda hoje estou para saber o motivo de tão ilustre visita, mas não deve ter sido nada de muito importante, pela duração que teve tal acontecimento (cerca de 30 minutos), pelo menos para os alunos!!! Mas pelo menos serviu para uma coisa, que já aqui foi referida: para “lavar a cara” dos escassos metros quadrados por onde o Presidente passou!!! Com o maior respeito que, como aluno do ISEL, devo ter perante o Presidente do Conselho Directivo da escola onde estudo, gostaria de solicitar ao Professor Quadrado que voltasse a convidar o Presidente Cavaco para nova visita, mas onde fosse mostrada a realidade do ISEL, e que poderia ter a seguinte ordem de acontecimentos: para começar o dia nada melhor que assistir a uma aula de Analise Matemática I no DEC (Departamento de Engª Civil), mas aconselha-se a que o Presidente traga um banquinho de casa e que chegue uns 15 minutos antes de a aula começar, pois é de enorme decadência tentar assistir a uma aula em que estão o dobro dos alunos que as salas suportam, chegando ao ponto de até o corredor dessas mesmas salas deixar de existir porque esse espaço foi ocupado por cadeiras praticamente até á porta! Como ninguém é de ferro, depois de uma aula a meio da manha, sabe sempre bem um pequeno-almoço, que pode ser no ICA! Mas que o Sr. Presidente tenha cuidado, não vá se deparar com uma barata (volto a referir: UMA BARATA) a passear tranquilamente pelo balcão desse mesmo bar como eu encontrei no semestre de inverno do ano lectivo passado! Já de estômago bem aconchegado que tal levar o Presidente da Republica ao Pavilhão G, mas destas vez para ver os laboratórios de Física e Mineralogia???…..A este mesmo pavilhão onde foram duas salas remodeladas só para “Inglês ver”, porque mal foram desocupadas pela ilustre visita, foram imediatamente fechadas!!! Para ocupar o resto da manha, podiam levar o Presidente a “passar umas aulas a limpo” novamente no DEC….vamos ver é se consegue tal proeza, porque os alunos destes mesmo departamento, que segundo sei são cerca de 700, dispõem apenas de 2 (DUAS) salas abertas para estudar, qual das duas a mais pequena!!! Passada mais esta peripécia, chega o momento alto da visita presidencial: o ALMOÇO! Acho que era de muito bom tom levar o Presidente da Republica a almoçar na cantina do ISEL, a ter de comer arroz com….com qualquer coisa, isso agora também é relativo! A ter de esperar em média 40\45 minutos para fazer o LONGO percurso que vai desde a chegada à fila de almoço até ao tão desejado momento de estarmos sentados com o tabuleiro a nossa frente!! Continuando….as aulas não acabam da parte de tarde, e nada melhor que voltar ao Pavilhão G para ter uma qualquer aula de hora e meia num anfiteatro sem qualquer conforto, onde os nossos joelhos batem no banco do colega da frente, como eu tive de ter no primeiro semestre que frequentei o ISEL!!! Findando o dia de aulas, é melhor comer qualquer coisa antes de ir até casa, e para variar um pouco de ambiente podemos optar pela “Sala 13”, mas é melhor o Presidente não se “esticar” no lanche, porque irá certamente reparar que numa escola de ensino superior PUBLICO é autorizado a que este mesmo bar pratique preços relativamente elevados para o sitio onde esta instalado, chegando ao cumulo de pagarmos mais por uma sandes e um sumo do que pagamos no refeitório para almoçar!!!!! E agora pergunto eu…. É para este autentico role de palhaçadas que foi a visita do Presidente da Republica, que os meus pais tem de trabalhar 6 dias por semana, para poderem pagar-me os estudos, e “largar”a módica quantia de 795.00 Eur de propinas?!?!?!

    Atenciosamente

    Engº Nuno Gouveia
    (se até o Sócrates pode auto rotular-se como engenheiro, porque não fazer o mesmo???)

  3. veto11 said

    Bruno Pereira Diz:
    Maio 24, 2008 às 11:00 pm
    Gostei muito do teu novo blog, Vitor. Está muito bem construído com uma escolha diversificada e inteligente de temas. Tens críticas com grande qualidade e que são bastante incisivas.

    Mas já agora que por aqui passei permiti-me discordar com a questão por ti abordada nesta entrada sobre o TGV. Primeiro devo dizer que o TGV não é um transporte só para as elites empresariais é na verdade o meio terrestre mais rápido em longas distância e que permite a deslocação de pessoas e bens em tempos recordes. Por exemplo, um emigrante português radicado em França (um caso bem popular nas nossas famílias) poderia evitar o longo desgaste de um a viagem de carro até casa utilizando o TGV, um meio muito menos poluente que os automóveis e aviões, com menores riscos de acidente e que suponho será mais acessível financeiramente que uma viagem de avião. Além disso, o tamanho do país é uma falsa questão pois o TGV irá só funcionar entre as nossas maiores cidades e como uma ligação internacional com o resto da Europa o que até faz sentido num país em que o Turismo é um sector motriz financeiramente. Desde logo permitiria um maior afluxo de turistas europeus que tanto gostam destas paragens.
    Depois devo dizer que em Portugal na mesma altura em que será construído em Portugal o Hospital Central do Algarve e o Hospital de Todos-os-Santos em Marvila (será o hospital central de Lisboa e reunirá no seu interior os profissionais e equipamentos provenientes de cinco hospiatis de zonas sobrelotadas de Lisboa que entretanto deixarão de estar em funcionamento). O que prova desde logo que o investimento no TGV não é incompatível com o investimento na saúde… O que me leva a crer que o actual Governo pelo menos do ponto de vista estratégico está a fazer um trabalho razoável e em que as prioridades são escolhidas com eficácia.
    Quanto à actual conjuntura política em Portugal penso que como sempre houve, hoje há bons e maus políticos mas penso ainda que estamos a precisar de renovar o leque de opções com políticos como Paulo Portas, Pedro Santana Lopes, Jerónimo de Sousa e porque não Mário Soares deixarem de participar na política activa deste país, pois existem outras formas de fazer política. Isso sim é necessário. sangue novo e otros pontos de vista pois os actuais estão conhecidos e começam-nos a fartar.

    Por fim quero mais uma vez elogiar o teu trabalho neste e despeço-me com a convicção de que hei-de participar mais vezes.

    Com um grande abraço para o meu amigo Vitor,

    Bruno Pereira

  4. veto11 said

    NMCAF Diz:
    Maio 30, 2008 às 3:14 am e
    Sem querer ser mal interpretado, muitas vezes a maior parte dos comentadores de serviço gostam de mandar umas bocas cá para fora sem se informarem primeiro. O direito à opinião é indiscutível, mas uma opinião sem fundamento transforma-se num mero exercício de demagogia.
    Quantas pessoas que aqui comentam já se deram ao trabalho de ler o relatório do primeiro trimestre de actividade da GALP em 2008? Está disponível no site da CMVM, quem tiver iniciativa percebe rapidamente onde a GALP está a ganhar os lucros “pornográficos”, na actividade de produção e exploração de petróleo. E que na actividade de refinação e distribuição (onde estão as vendas de gasolina/gasóleo) os resultados descem consideravelmente. Quem queira perceber a diferença também compreende porque é que resultados a subir não implicam obrigatoriamente roubo aos consumidores.
    A redistribuição do rendimento é uma das funções do Estado, pode-se discutir a validade de investimentos e polítias e discordar delas, no entanto, isso não valida automaticamente todas as más políticas. Enquanto contribuinte, não percebo a que título uma fatia dos impostos que pago vai para subsidiar combustíveis, isto não é redistribuição de rendimento, é populismo. As taxas de juro dos empréstimos à habitação duplicaram em pouco mais de dois anos, um problema que afecta transversalmente a sociedade, astronomicamente mais que a alta dos combustíveis, e até à data não me lembro de tamanho frenesim a pedir um aumento da dedução no cálculo do IRS ou regimes bonificados para o pessoal.
    Os preços devem reflectir o aumento do custo dos factores de produção e ponto final. Enquanto consumidor, vou decidir onde gastar o meu dinheiro (mais onde não gastá-lo neste momento…), pagar impostos para subsidiar artificialmente actividades económicas está testado, é errado, não resolve nada, e é uma afronta a todos os consumidores que não beneficiam destas beneces, bem como de qualquer contribuinte, ande ele a pé, de transportes, de carro ou motoreta.

  5. veto11 said

    Sabido Diz:
    Junho 1, 2008 às 1:25 am

    O peixe é vendido pelos pescadores aos revendedores ao preço da chuva. No entanto é nos supermercados e nos postos de revenda que podemos encontrar o pescado a preço de ouro.

    Exemplo do porto de matosinhos.
    Sardinha acabada de pescar:
    Pescador -> Revendedor 0.59€/kg
    Revendedor -> Consumidor 2.79€/kg (4,73 vezes mais)

    E atenção que o preço avançado pelo revendedor ao jornalista foi “vou vender no mínimo a 2.79€ o quilo da sardinha” … sublinho, no mínimo!

    Há alguém a fazer bom dinheiro enquanto os pescadores “vão ao fundo”.

    Proponho a criação de um tecto que delimite a diferença de rendimentos entre um pescador e um revendedor.

    Ou talvez o pagamento por parte dos revendedores à docapesca de uma percentagem dos ganhos ou mesmo de um valor fixo, destinado a um fundo de maneio destinado ao uso dos pescadores para combustíveis.

    Ou então alguém que através da investigação desenvolvesse motores de embarcações cuja relação consumo/eficiencia fosse melhor, substituindo os velhos e obsuletos e muito poluentes motores das embarcações por outros mais novos. E talvez com isto fomentar a indústria de construção naval que tem estado estagnada. Criando novos postos de trabalho e uma mais valia para o país uma vez que somos reconhecidos a nível internacional pela nosso “know how” no mar e em tudo o que lhe esteja relacionado.

  6. Henrique Diz:
    Agosto 22, 2008 às 4:29 pm e
    Obrigado pela referência, o silêncio da MFL pode, no meio de tanto ruído, trazer-lhe dividendos. Mas com um PS tão radical à direita não há direita que aguente.
    Abraços

  7. Hugo Pereira said

    Parabéns pelo excelente site que aqui foi elaborado, mas se me premitem uma pequena opinião, uma vez que os temas a tratar são vastos mas apenas, ou maioritariamente, relacionados com politica, talvez seja uma boa ideia introduzirem novos temas como, enventos actuais, seja em relação a cinema, teatro.. musica também seria um bom separador com várias vertentes do fado ao jazz, concertos ou festivais a realizar, tipo um separador mais generalista do género cartaz daquilo que está a ser feito no momento e que seja boa sugestão para as pessoas passarem bons momentos… fica a apreciação, já agora por exemplo o cirque du soleil – verekai tá no parque tejo, é um bom espectáculo abraços!

    • Apreciei bastente a sugestão. Como sabes não esta muito relacionada com o tema central do blogue, no entanto parece-me uma boa ideia. estou a pensar criar uma nova página #Cartaz#. Obrigado pela sugestão, abraço.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

 
%d bloggers like this: