Se eu fosse Primeiro-Ministro

a opinião tem uma origem

Intermitências de um dialogo atemporal II

Posted by Vitor Oliveira em Julho 13, 2010

Um avanço, um passo e mais um degrau transposto. E agora? É urgente a criação de novos desígnios. (Creio que para fugir ao confronto interior, jamais para alimentar o ego.) No entanto, não dá mais. As ideias não surgem e a imaginação foi antecipada pela voracidade da alma. Emerge de novo o abismo, a (perpétua) luta inacabada, o querer que se esvanece e a podridão que corrói a alma, ou o que resta dela.

A vida. A dança do acaso, onde todos temos algo a dizer e infelizmente, muito pouco a fazer. Guarda o conteúdo, talvez se adeqúe, eu posso ficar com as letras. Dessa forma o mundo continuará a ser meu. Escrevo-o como vejo: sem passado nem futuro.

Anúncios

Posted in Uncategorized | Com as etiquetas : | Leave a Comment »

Intermitências de um diálogo atemporal

Posted by Vitor Oliveira em Julho 9, 2010

Temos um mundo inacabado, envolto em coisa nenhuma e recheado de pessoas inábeis para que a grande obra feneça. O que devemos procurar numa estadia, em regime de meia pensão, durante um período médio de setenta anos? Talvez acabar a obra, ter prazer durante a permanência ou viver como um sanguessuga da sociedade. Não sei bem porquê, no entanto, sinto que tudo isto está interligado. “O significado da vida é a mais urgente das questões”, Albert Camus.

A completa confusão. Não seria de esperar algo diferente, a multiplicação de produtos imperfeitos jamais poderia culminar num resultado diáfano, lógico e irrepreensível. “Sentimos que, mesmo depois de serem respondidas todas as questões cientificas possíveis, os problemas da vida permanecem completamente intactos”, Ludwig Wittgenstein.

As vitórias que tenho alcançado, por mais atulhadas de sentimento que possam parecer, são pobres em conteúdo. São vitórias! O leviano contentamento do ser, que espera inconscientemente o desabar dessa realidade. Se não fosse assim não haveria motivos para tamanha emotividade. Mas, “isto também passará”. O optimismo, a essência pessoal, as riquezas e virtudes de uma personalidade chocam sempre no lado mais pessimista, ou lúcido, do existencialismo.

Inúteis os ensinamentos causados pelas derrotas… Sei que para muitos é errado abjurar as relevâncias de uma derrota, mas continuo sem perceber qual a vantagem de ter falhado no planeamento, execução ou escolha de um projecto. Por mais que se aprenda para uma próxima, É uma derrota! Além do mais, pode não haver próxima.

A cada dia que passa agiganto os que me cercam, noto que com o crescimento deles erradico, ofusco ou condeno aquilo que sou. Não sei se o desacerto é meu, dos outros, de todos, ou, simplesmente, de ninguém.
“Sufoco de vida, sufoco viver, morro baixinho dizendo: Quero viver”, alguém que se encontrou nos desencontros da vida.

Posted in Uncategorized | Com as etiquetas : , , | Leave a Comment »

Emocionante

Posted by Vitor Oliveira em Julho 2, 2010

Fascinante! Umas das melhores, se não for a melhor e mais emocionante interpretação artística sobre os pesadelos da guerra. Vale a pena ver e rever. Como disse Kseniya Simonova, “acho bastante difícil criar arte usando papel e lápis ou pincéis, mas usar areia e os dedos está além do meu entendimento. A arte, especialmente quando a guerra é usada como tema, chega a levar as pessoas às lágrimas. E não existe maior elogio do que este.”

Posted in blog, Sociedade | Com as etiquetas : , | Leave a Comment »

Manuel Alegre, o candidato

Posted by Vitor Oliveira em Junho 26, 2010

Manuel Alegre iniciou a pré-campanha para as eleições presidenciais, confesso que fiquei desiludido com o discurso do candidato socialista.

Manuel Alegre criticou, criticou mais uma vez e voltou a criticar o realismo de Cavaco Silva. Afirmou que, “um Presidente da República não pode nunca dizer que Portugal vive uma situação insustentável, porque isso cria dificuldades ao próprio país”. Disse ainda, que “foi durante o consulado do então primeiro-ministro Cavaco Silva que se investiu muito mais no betão do que nas pessoas e que o endividamento cresceu, nessa altura, cerca de dez por cento.”

(Qual a aposta que o governo faz nas pessoas? De certeza que não é fechando escolas e obrigando alguns alunos a percorrer diariamente mais de 50km para ter direito à educação.)

Vou repetir uma frase de Manuel Alegre “é preciso ter uma visão do país que não confunda Portugal apenas com um manual de finanças”.

Posted in Media, Política | Com as etiquetas : , , | Leave a Comment »

José Saramago (1922-2010)

Posted by Vitor Oliveira em Junho 19, 2010

Foto: aqueiva.files.wordpress.com


Deixo a minha homenagem a um autor mundial, ao homem simples e ao escritor complexo: José Saramago. Como ele próprio afirmou, “Todos sabemos que cada dia que nasce é o primeiro para uns e será o último para outros e que, para a maioria, é só um dia mais”. Estou certo que para Saramago não foi o ultimo, impossível que desapareça. Marcou politica, religiosa e, sobretudo, literariamente toda uma Era, a sua obra irá perdurar no tempo. Saramago, entre outras coisas, foi argumentista, jornalista, dramaturgo, poeta, romancista e escritor.

Controverso, intenso e presente , enfim… José Saramago. Dou valor porque sempre se assumiu da forma como realmente pensava, com as próprias ideologias, crenças e ambições. “Dentro de nós há uma coisa que não tem nome, essa coisa é o que somos.” J.S.

Posted in Uncategorized | Com as etiquetas : | Leave a Comment »

Bagão Félix, porque sim…

Posted by Vitor Oliveira em Junho 17, 2010

Quarta-feira, 16 de Junho, em pleno almoço no Estoril um grupo de cem mulheres decidiu dar voz aos desejos de alguns rostos da direita nacional. No fundo este pedido de candidatura Presidencial endereçado a Bagão Félix não é só do Movimento Mulheres Século XXI, é também a vontade de Paulo Portas e de rostos que acreditam que a direita necessita de uma segunda candidatura.

Entre outras frases é possível ler na carta que “não existem em Portugal muitas pessoas com a capacidade de representar um povo MAIORITARIAMENTE católico.” Se temos um país maioritariamente católico considero que o maior problema não será escolher um candidato católico, muito menos com capacidade de o representar, mas sim escolher um bom candidato. Aliás não me parece que seja abonatório para a religião católica esta promiscuidade entre política e fé, talvez abonatório para a política, neste caso está tudo dito e estão compreendidas estas “cem mandatárias”.

Não é correcto reduzir a escolha de um candidato à sua vertente católica muito menos reduzir a força da Igreja a um candidato Presidencial. Ter uma base católica, para mim como católico, é importante em muitos aspectos mas não é essa a qualidade indispensável a um candidato a Presidente da República.

No entanto, para bem da sociedade e dos contribuintes, é necessário um candidato diferente, a direita só tem a ganhar com duas candidaturas numa primeira volta. Ter dois candidatos, como exemplificou Pedro Santana Lopes, não é sinónimo de derrota. Não se deve procurar justificações desta magnitude. É necessário um Presidente que se preocupe com os verdadeiros problemas do país e que apoie a rápida resolução das reais dificuldades nacionais e não alguém que entre nas guerras demagogas que não levam a lado nenhum. Existem problemas de fundo, existem avanços sociais para o bem estar de todos e não apenas da maioria. Há que distinguir, começar pelo que interessa.. .

Posted in Política, Sociedade | Com as etiquetas : , , , | 1 Comment »

O 10 de Junho

Posted by Vitor Oliveira em Junho 11, 2010

O 10 de Junho é um dos dias mais relevantes do calendário nacional. Dia em que se cativam os contribuintes a lutar, defender (e a embolsar, claro está) um Portugal melhor, um país mais capaz e solidário. A juntar a toda a motivação habitual, este ano, assistimos a um amplo aparato político . O Presidente da República, Cavaco Silva, sublinhou qual deve ser o rumo, não se ficou pela motivação, sugeriu, o que cada vez mais deve ser valorizado….

Para quem tem andado despercebido o Presidente da República fez um sumário: O desemprego “é o maior flagelo da nossa economia”; o pior da nossa crise são, os “jovens que se interrogam sobre o futuro”, as “famílias que fazem contas à vida”, bem como todos aqueles “que temem pelo seu emprego”. O Sr. Presidente vai-me desculpar mas, que tal incentivar a sociedade à coerência? Compreendo esta dificuldade, sobretudo quando existem deputados que acumulam vários cargos, quando a redução do numero de deputados provoca tanto escândalo. É fácil falar, mas quando chegou a hora de agir, interessou mais a liberalização do aborto, os casamentos homossexuais, a liberalização das drogas leves, que a resolução dos problemas de fundo que realmente afectam o país.

Diz Cavaco Silva que “os sacrifícios devem ser repartidos de forma equitativa e justa”. Foi neste momento que relembrei a redução dos ordenados do governo e fiz a comparação com aquilo que sucedeu em Espanha. Portugal, um país que possui um dos ordenados mínimos mais baixos da Europa, afinal é rico nos cortes com o sistema político. Coerência?

Para finalizar quero sublinhar uma das frases que o Presidente da República disse hoje, “não foi com o desalento que se construiu Portugal”. Considero que não tenha sido mas, infelizmente, tudo muda. Mudaram-se as gentes. Foi-se o alento e com ele fugiram também os lideres sabedores e capazes, vieram os compadrios políticos, desapareceu a visão futurista e capaz de aproveitar todos os recursos que o país pode oferecer…

Posted in Política, Sociedade | Com as etiquetas : , , | Leave a Comment »

(no coments)

Posted by Vitor Oliveira em Março 29, 2010

Há situações tipicas e atípicas. Existe a normalide e a anormalidade. Até aqui nada de novo… Mas nunca pensei que os atípicos anormais não disfarçassem as suas acções com a “pompa” devida, já nem pedia a circunstância adequada.

E se, como diz Luís Calisto, “Sócrates fizesse como o sr. Jardim, que calunia, insulta e enxovalha diariamente os jornalistas com epítetos de corruptos, traidores, comunas, súcias, fascistas, tolos, incapazes, incultos, vingativos, desonestos, gente reles, mentes recalcadas, bastardos, exóticos, incumpridores de estatutos editoriais, ralé que não toma banho? E as jornalistas de vendidas, descompensadas, sovaqueiras”.

Enfim… “No coments”!
Afinal de contas sobre este tema EU não quero dizer nada. Peço desculpa se de alguma forma perdi a coerência e disse alguma coisa.

Posted in Media | Com as etiquetas : , , , , , , | Leave a Comment »

A campanha necessária…

Posted by Vitor Oliveira em Março 22, 2010

Acho que o voluntariado tem de ser cada vez mais reconhecido, é imperativo que o trabalho em prol da sociedade sofra um aumento exponencial e o bairrismo terá de ser uma constante presente na vida de todos.

Pelos motivos supra descritos e pela preocupação que o grupo de estudantes do ISEL demonstrou com o ambiente, a envolvência do seu local de estudo e o constante lutar pelos seus colegas quero realçar e publicitar o sitio deles na internet.

Louvo, por mais suspeito que eu seja, o trabalho de todos os membros, a eles o meu obrigado.

Posted in Sociedade | Com as etiquetas : , , , , , , , , | 2 Comments »

PSD, no seu melhor!

Posted by Vitor Oliveira em Fevereiro 11, 2010

Afinal Paulo Rangel já não apoia a candidatura de Marcelo Rebelo de Sousa. O Euro Deputado decidiu avançar com uma candidatura à presidência do PSD. Não compreendo o interior deste partido. Parece tudo infundamentado, sem qualquer organização e controlo interno. As posições são constantemente alteradas, é comum ver algum membro do partido a “lavar roupa suja” em praça pública. Apesar das divergências de opiniões serem positivas, devem ser discutidas no interior do partido e aprovada aquela que melhor satisfaz os interesses partidários para que a direcção final do discurso seja uma só.

Devia haver um porta-voz claro, uma imagem única, limpa, conhecida, popular e credível. Serão estas as condições imprescindíveis ao novo líder Social-Democrata. Ainda considero o PSD um brinquedo grande demais para o Euro Deputado. Apesar de todo o currículo e das capacidades de Rangel, ainda não é a hora.

Quanto a Pedro Passos Coelho, tem ideias, um carácter forte, bem como presença e imagem (dos mais importantes aspectos para movimentar massas). No entanto o timing que escolhe para as suas intervenções e alternância de discurso não o favorecem.

Não seria uma boa opção, apesar da clara necessidade de mudança, esperar algum tempo? Manuela Ferreira Leite, ainda pode suster o PSD um pouco mais. Quando o adversário político dos Sociais-Democratas, PS, estiver mais debilitado, a instabilidade social e politica aumentar é a melhor altura para o PSD mostrar força, redenção e carácter.

Posted in blog, Política, Sociedade | Com as etiquetas : , , , , | 1 Comment »

Amnistia Internacional

Posted by Vitor Oliveira em Fevereiro 1, 2010

Posted in Sociedade | Com as etiquetas : , , , | Leave a Comment »

Devaneios do Bloco

Posted by Vitor Oliveira em Janeiro 18, 2010

O Bloco de Esquerda acusa o Partido Socialista de planear um tripé politico com o PSD e o CDS. Não quero criticar o BE muito menos os fundamentos de tal acusação (que devem ser muito bons, haja coragem…), no entanto será estranho se o complot se verificar. Sobretudo quando o PS necessita apenas do assentimento do CDS ou da abstenção do PSD para aprovar o próximo Orçamento de Estado.

Se, como tão bem relembrou Francisco Louçã, bastou um queijo para resolver semelhante problema na ultima minoria socialista, porque motivo Louçã acredita que desta vez o suficiente não chega ao PS? Seria uma excentricidade tentar este “tripé orçamental”, um disparate se ele se consumar. Porém prefiro o disparate a uma negociação com o BE. Mais propostas em torno do subsidio de desemprego são um absurdo. Os desempregados têm acesso ao subsidio de desemprego e a regalias bancárias e fiscais. Por mais que as medidas actuais sejam insuficientes, e eu concordo que o sejam, não é economicamente sustentável que estas sofram um aumento. É necessário fomentar a economia, especialmente quando se prevê o inicio do crescimento económico.

As empresas têm de estar preparadas para acompanhar a retoma. Devem ser dados apoios às empresas e devem ser criadas condições de empregabilidade. (Subsidio de desemprego para a entidade patronal, benefícios fiscais às empresas que contratem desempregados, apoio na qualificação da mão-de-obra, etc.…). Concordo que numa altura de crise será difícil optimizar uma solução, é bem mais fácil atribuir subsídios “à lá balda”. Mas quais os custos finais?

(Saliento as declarações do deputado bloquista, João Semedo, o Bloco irá apresentar 7 propostas para atenuar a falta de profissionais no SNS. Talvez seja desta que os médicos, que fazem falta como médicos, deixem de ser gestores).

Posted in Política | Com as etiquetas : , , , , , | Leave a Comment »

Para reflectir

Posted by Vitor Oliveira em Dezembro 25, 2009

Numa epoca especial como a que atravessamos deve haver espaço e tempo para pensar, viver e sentir o mundo. Talvez este video ajude….

Posted in blog, Sociedade | Com as etiquetas : , , , , | Leave a Comment »

PS, Alvo de injustiças

Posted by Vitor Oliveira em Dezembro 21, 2009

O PS está a ser terrivelmente persseguido. O Presidente da Republica, Cavaco Silva, que de forma descabida atribui a máxima importância ao “desemprego do país, no endividamento do país, no desequilíbrio das contas públicas, na falta de produtividade e de competitividade do nosso país”. Para alem de perceber a importância que o “país” tem para o nosso PR, tal a quantidade de vezes que fala nele, compreendo tambem que Cavaco não vive a política nacional da melhor forma. Não é nem nunca será de bom tom , que os politicos nacionais se esforcem para colmatar aqueles que são verdadeiros problemas de fundo.

E com isto tudo quem sofre é o PS. Não é justo que o PR dite quais as medidas que o governo deve cumprir em primeiro lugar. Ha que definir prioridades, e neste momento, quem se importa com o desemprego e com outras medidas totalmente eleitoralistas?

Gosto tambem da facilidade com que surge a quezília política. O PR nem se pronunciou sobre o casamento homossexual, e é logo acusado. Acusado, provavelmente, por defender outros ideais, outras prioridades e actuar de uma outra forma. Não chega fazer um Decreto-Lei? Seria, talvez, expectável para o PS, que todo o país demonstrasse publicamente a gratidão para com o seu governo. Pois este cumpriu uma promessa e provocou um justo equilibrio social.

Posted in blog, Política | Com as etiquetas : , , , , | Leave a Comment »

O camarada Armando

Posted by Vitor Oliveira em Novembro 6, 2009

José Sócrates afirmou que o entristece o envolvimento do seu amigo Armando Vara no processo “Face Oculta”. Quem pensava que Sócrates era um ser autoritário e rude que se desengane.

O nosso Primeiro-Ministro fez uma carreira política com o arguido Armando Vara. Só não percebo qual! No entanto nota-se que tiveram uma forte ligação profissional. (Nada de segundas interpretações, não me estou a referir negócios ilícitos, muito menos referi o caso Freeport, a Galp, a média diária de 10 projectos de Engenharia, nada disso. Aliás se o fizesse era estupidez, estamos a falar de uma carreira a dois.)

Claro que um arguido não é culpado, pelo menos até que alguém prove o contrário. Porém quem deixa o Primeiro-Ministro triste arrisca o fundo de desemprego. Logo, temo que ninguém o prove, pior que alguém descubra que foi tudo um erro, que um directo da PJ seja demitido e o estado condenado a uma indemnização. Nem tudo é mau, desta forma a tradição não será quebrada, mais um caso ficará por resolver, mais um(s) crime(s) de colarinho branco será arquivado(s).

Posted in blog, Política | Com as etiquetas : , , , , , | Leave a Comment »

CDS-PP Persiste na Lei penal

Posted by Vitor Oliveira em Outubro 21, 2009

Um partido de oposição, tal como o Governo, têm de funcionar, sob um ponto de vista político, de uma forma construtiva perante o Parlamento, só assim se defendem os interesses da nação. No entanto, diversas vezes as conveniências partidárias superam as da nação. Talvez por isso a reforma penal que o CDS-PP tentou implementar na última legislatura tenha sido chumbada.

Porem o relatório do Observatório Permanente da Justiça Portuguesa vem dar razão ao esforço do CDS-PP, pois constata as deficiências graves no nosso sistema penal. O CDS, ao invés de mudar de política ou aproveitar a carência do novo Governo para mais tarde entrar em negociatas decidiu insistir na aprovação do documento.

A aplicação da prisão preventiva em crimes com moldura penal mais baixa, a ampliação da utilização de processos sumários bem como circunstâncias de detenção mais amplas, que não impliquem o flagrante delito, são algumas das medidas defendidas pelo partido. Como disse o deputado, Nuno Magalhães, a criminalidade grave e violenta, o sentimento de impunidade e a insegurança têm aumentado.

Há quem considere esta medida como uma operação de charme para com o eleitorado, é estranho. Se a oposição é do contra não tem credibilidade, se não consegue tomar medidas é porque não age, se propõe, debate e insiste com as ideologias que defende é por interesse. Deveriam ficar estupefactos com a falta de produtividade e não com a opulência laboral. Será que pensam também no motivo pelo qual os deputados têm ordenado?

Posted in Leis, Sociedade | Com as etiquetas : , , , | Leave a Comment »

Espinho: Vergonha Democrática

Posted by Vitor Oliveira em Outubro 20, 2009

O PS Espinho anunciou hoje que recorreu para o Tribunal Constitucional (TC) ”. O objectivo dos Socialistas é que o TC declare nulidade relativamente ao processo eleitoral. Entre outros argumentos, apresentados pelo PS Espinho, saliento os seguintes:

Numa das mesas de voto havia 637 boletins para 467 votantes. (Com estes números só por má vontade é que alguém pode afirmar que os Portugueses não participam o suficiente nas eleições);
-Na freguesia de Silvalde o PSD começou por ganhar com 299 votos, este foi um grande resultado eleitoral, pelo menos no inicio. Depois houve nova contagem e o partido só ganhou com 289 votos, o que traduz uma vantagem de um voto face ao PS, partido este que defende um empate, já que entende que um dos votos foi mal anulado.
Falando em votos anulados, estranho não o terem sido votos com inscrições com “Mandem o Mota para o Brasil” e “o IMI está muito alto”.

Se confirmado, é vergonhoso que se assista a este tipo de casos. Não importa a dimensão da vigarice, do município nem sequer o número dos eleitores. Interessa apenas o facto de estarmos num país considerado desenvolvido, um país livre de regimes não democráticos há mais de trinta anos e mesmo assim haver quem tente contornar a democracia. O que é vergonhoso por si só, independentemente da escala a que se verifique.

Posted in blog, Política | Com as etiquetas : , , , , , | Leave a Comment »

O “pobre” Governo minoritário

Posted by Vitor Oliveira em Outubro 19, 2009

“Já fui rico e já fui pobre. Prefiro ser rico.” É esta a metáfora que o líder do PS mais tem utilizado nos últimos tempos. Como bom político José Sócrates não foi honesto, um político que se preze, sobretudo num estado à beira mar, não pode falar a verdade, é uma espécie de tabu que nem os Portugueses apreciam que se quebre. O secretário-geral do PS vai apreciar esta nova experiência. Se por um lado fez história com a primeira maioria do PS, e que escória, PERDÃO, HISTÓRIA, chegou o momento de liderar uma minoria parlamentar peculiar.

Esta minoria tem características boas para os Portugueses, sobretudo para aqueles, que como eu, não apreciam a forma de governação do Primeiro-Ministro.
Em primeiro lugar o governo não pode ser destituído durante os primeiros seis meses de governação nem nos últimos seis meses de governação do Presidente da Republica. (Depois é esperar que o deputado Manuel Alegre não vença as presidenciais, temo que em caso de vitoria destitua o seu compadre, não por complot, antes por ideologia e justiça. Mas como no caso uma coisa leva à outra…) .
Em segundo é um governo propício a birras e queixinhas na praça pública, é sabido como isso mancha a credibilidade de qualquer ser humano que se preze, mesmo que este já seja político, no entanto em Portugal traz grandes prerrogativas, vai se lá saber o porquê.

Se com todos estes percalços o governo se aguentar quatro anos, o que seria óptimo, era o fim da era José Sócrates. Por outro lado se for destituído, ou levado a pedir demissão, a história será repetida. Teremos seis anos e não quatro da era de Sócrates.

Posted in blog, Política | Com as etiquetas : , , , | Leave a Comment »

E agora Costa?

Posted by Vitor Oliveira em Outubro 16, 2009

O PS decidiu unir o partido em prol da cidade de Lisboa. Apresentou uma lista que era uma coligação de candidatos do partido e independentes. Pois bem, chegou a hora dos socialistas provarem um pouco do seu próprio veneno. A vereadora Helena Roseta pediu aos deputados a revogação do Decreto-Lei relativo a prorrogação do prazo de concessão do terminal de contentores de Alcântara. E para piorar as coisas, do ponto de vista do Partido Socialista, este pedido de revogação foi um trunfo de campanha de Pedro Santana Lopes.

O pedido faz todo o sentido, é necessária transparência no processo. Esta prorrogação devido às cláusulas indemnizatórias que constam do contrato vai lesar, caso se venha a concretizar, a Câmara Municipal de Lisboa e os contribuintes em vários milhões de Euros. É inadmissível que com os valores e o prazo (27 anos) em causa se faça uma prolongação do contrato por ajuste directo. Ainda por cima quando o motivo desta delonga foi uma previsão de esgotamento a curto/médio prazo e se tem verificado o contrário. Faz todo o sentido que se revogue o Decreto-Lei, é necessário um concurso público transparente.

Posted in Leis, Sociedade | Com as etiquetas : , , , , | Leave a Comment »

O Governo de Sócrates

Posted by Vitor Oliveira em Outubro 15, 2009

José Sócrates vai liderar sozinho, melhor, com um Governo totalmente da sua autoria, que temo que vá dar ao mesmo. Mas, pelos vistos, não era isto que o secretário-geral do PS pretendia. Pelo menos, foi o que depreendi das suas palavras: “Perguntei-lhes se estavam dispostos a iniciar COMIGO um diálogo político”, mas “Nenhum dos outros partidos políticos está disponível para o diálogo rumo à estabilidade política”. ”. É bom poder apreciar alguma humildade no Eng.º Sócrates, cheguei até a sentir algum sentido de estado durante a entrevista, possivelmente foi uma interpretação nefasta, mas gostei da sensação.

Foi impressão minha ou o líder socialista deu a entender que Portugal só obteria estabilidade política se houvesse essa coligação (de interesses)? Ainda bem que não surgiu. Penso que o poder em demasia confunde José Sócrates. No entanto, fiquei com a dúvida, talvez pelo passado recente: seria a estabilidade, no entender do nosso Primeiro-Ministro, proporcional ao número de intervenientes no cartel? A ideia é estranha.

Posted in Política | Com as etiquetas : , , , | 2 Comments »